30 mar

Poesia: As Dores que Sinto

Dores

As Dores que Sinto

Sentimos tudo a flor da pele;

somo, queremos, podemos, merecemos.

É um mistura de ser com ter;

é entender por merecer.

 

Quando mais intenso é mais valioso;

Todos os desejos se explodem;

Mas as vezes pode ser doloroso;

Até que tudo prazeroso nos abandonem.

 

Fica o nada.

Fica o vazio.

Fica a dor.

 

Emocionalmente você acaba sendo fisgado;

Não bastava ser físico o danado;

Mas ele alastra e se espalha por todo o corpo;

Vivo, mas completamente revoltado.

 

Mas olhe, essa revolta não tem efeito;

Quem está no controle mesmo é a dor;

Aquela que faz você repensar se foi feito tudo direito;

Pois a dor tomou conta do seu corpo que era só amor.

 

Dói quando pisco, quando me ajeito, quando me mexo;

Dói quando sinto saudade, quando penso no seu beijo;

Dói quando me vejo cheia de marcas e nada afasta o desconforto;

Dói quando como, quando sonho, como se eu tivesse morto.

 

E assim sigo meus dias cheios de desafios.

Morro um pouco e renasço de outro jeito;

É uma luta desatar todos esses fios;

Para trazer todo o amor de volta ao meu peito.

 

Perdi muito sangue e muito amor;

Nessa luta de viver a vida.

O que era lindo se acabou.

E o que era amor, agora faz parte da ferida.

 

Talita Lombardi

Leave A Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *